quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Trilogias, sagas, mega sagas e séries, dá pé escrevê-las?



Como o título da postagem sugere hoje vamos falar um pouco dos escritores iniciantes que começam escrevendo sagas, trilogias e coisa do tipo. Lembrando, primeiramente, que esta será minha opinião sobre o assunto e qualquer outra, mesmo que contrária será bem-vinda. Então, caríssimos, vale a pena iniciar uma carreira literária por intermédio de histórias que possuem continuação?

Acho que sim e que não. Explico melhor: é importante que o jovem escritor tenha em mente que seu trabalho inicial precisa ser excelente; que seu livro deve ter um final que por si só justifique aquele livro. É preciso concluir o primeiro livro de maneira eficiente. Mas por quê? Porque, caso contrário você estará minando suas chances no mundo literário. Um livro que tenha um fim aceitável agrada o leitor e não prejudica a curiosidade para um segundo, ao passo que um livro que puxa outro irrita o leitor. Repare bem que mesmo os títulos conhecidos mundialmente fecham a história (de algum modo) em um único livro, como é o caso de Harry Potter. Cada livro conclui sua história.

Fique atento. Outro ponto importante e isso eu mesmo deduzi, é que você pode aumentar suas chances se não usar um nome para designar toda a série de livros, como por exemplo, acontece em Harry Potter. Lá temos Harry Potter e a Pedra Filosofal, Harry Potter e a Câmara Secreta e por aí vai. Acho que você não precisa mostrar aos leitores que o livro é relativo ao Harry Potter, uma vez que ao lê-lo os leitores saberão. Confie na inteligência e curiosidade dos seus leitores. Estas duas ferramentas vão agir e unir suas histórias para ele.

Já reparou que quando ficamos curiosos com algum livro que lemos procuramos mais obras daquele autor? Já pensou se quando isso acontecesse, um novo livro explicasse algo que ficou “no ar” daquele primeiro livro sem fazer menção direta a ele? Seria genial! Curiosidade é essencial, amigos.

Este é o meu ponto de vista, mas não posso e não devo descartar dados que mostram o fato de editoras estarem começando a acreditar em autores que escrevem séries da maneira tradicional. Ainda é prematuro o movimento, mas já tem gente fazendo. Nessa hora, lembro-me da Editora Arielli que prefere autores novos e séries para publicar. Uma vitória para a gente.

Não vejo outra, além da mencionada, que prefira séries. A maioria das editoras querem livros fechados pois acham que o investimento em um único livro é mais rentável do que em vários. Se um fizer sucesso depois pensam em outros. Agora, amigo, se você for gringo, a coisa muda de figura, certo?

Sucesso!

Abraços.  

Um comentário:

Alec Silva disse...

Falou tudo, Paul!

Escritores de sagas, que é o meu caso, devem ser espertos e confiarem em seu talento!


Abraços.