quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Edital da Antologia Pulp Brazil


Regulamento Pulp Brazil

Antologia de Literatura Fantástica, Aventura e Pulp
Organização: Alec Silva
Prefaciadora: Amanda Reznor
Autor Convidado: Rochett Tavares
 1) DA PARTICIPAÇÃO
1.1. A antologia “Pulp Brazil” é promovida pela RHS EDITORA E PRODUÇÕES, pessoa jurídica com registro de CNPJ: 13.022.386/0001-84 com sede na Avenida São Paulo, Quadra 84 LOTE 13, N°1048 - CENTRO - GURUPI – TO, doravante denominada EDITORA.
1.2. Poderão participar da antologia todas as pessoas físicas residentes legais em qualquer país.
1.3. Das características da antologia: A RHS EDITORA receberá única e exclusivamente contos com a temática pedida para a Antologia PULP BRAZIL, sendo que a criatividade e imaginação do escritor darão o toque e estilo ao trabalho.
1.4. Poderão participar da antologia autores com mais de dezoito anos. Aqueles que forem menores de idade poderão se inscrever mediante autorização por escrito de um responsável legal, acompanhada de fotocópia do original de documento de identidade do mesmo para conferência e registro de inscrição.
1.5. A participação se dará por meio de um concurso, onde o autor não precisará arcar com nenhum valor para a publicação de seu conto.
1.6. Serão selecionados, ao todo, de 15 (quinze) a 20 (vinte) participantes, sendo 1 participante convidado, e estes cederão seus direitos autorais para a editora referente a publicação na antologia PULP BRAZIL.
Especificação do Produto:
Título: LIVRO
Papel: Miolo Papel Polén Bold/ Capa com Orelhas de 8 cm
Formato: 16,0 x 23,0mm (fechado)
1.7. A presente antologia PULP BRAZIL é uma promoção da RHS EDITORA e tem como finalidade estimular a produção de textos, formação e divulgação de novos autores.
 2)DA ACEITAÇÃO DOS CONTOS
2.1. Serão aceitos apenas contos em língua portuguesa, de temática ao universo fantástico e todos os seus subgêneros (policial, suspense, terror, ficção, steampunk, gore, aventura, horror, etc.) e com o tema proposto para a antologia PULPBRAZIL. Limite de tamanho: no mínimo 25.000 e, no máximo, 38.000 caracteres, contando os espaços. Formatação: página A4, espaços de 1,5 entre linhas, fontes Times ou Arial tamanho 12, acompanhados dos dados de inscrição que constam no parágrafo 5.5 desse regulamento.

2.2. Os contos devidamente formatados deverão ser enviados a/c de Alec Silva para o e-mail pulp@rhseditora.com, com cópia de segurança para antologias@rhseditora.com junto com os dados de inscrição e demais documentos de autorização (no caso de menores de idade).
2.3. Os contos inscritos deverão contemplar, obrigatoriamente, os seguintes elementos:
(a) não ultrapassar o limite de 38.000 caracteres;
(b) corresponder ao tema proposto para a antologia PULP BRAZIL:
“O Fantástico é um Universo infinito de coisas e segredos, onde o limite entre o real e o imaginário é uma tênue linha que pode ser facilmente superada. Mundos paralelos, futuros alternativos, aventura, romance, o horror em sua face mais obscura, a humanidade obrigada a vencer seus limites e confrontar o sobrenatural.
Através de textos, como contos, crônicas e poesias, tudo é possível desde que a imaginação queira. Solte sua imaginação e conte sua versão do Fantástico, sem medo, sem preocupação. É hora de escrever, é hora de ser Pulp!”
 3) NÃO SERÃO ACEITOS OS CONTOS QUE:
(a) possam causar danos a terceiros, seja através de difamação, injúria ou calúnia, danos materiais e/ou danos
morais;
(b) ofendam a liberdade de crença e as religiões;
(c) contenham dados ou informações racistas ou discriminatórias;
(d) tenham a intenção de divulgar produtos ou serviços alheios aos objetivos da antologia ou que tenham
qualquer finalidade comercial;
(e) façam propaganda eleitoral ou divulguem opinião favorável ou contrária a partidos ou candidatos;
(f) tenham sido produzidos por terceiros;
(g) que não venham formatados nas normas estabelecidas por esse regulamento e descritas no item 2.1.
 4) DOS CONTOS INSCRITOS
4.1. Os contos inscritos serão analisados, selecionados e organizados mediante avaliação do profissional nomeado pela organização da Antologia, cujas decisões serão soberanas e irrecorríveis. A avaliação se dará com base nos seguintes critérios:
(a) criatividade e originalidade do enredo;
(b) adequação à classe literária de conto;
(c) impacto do conto e qualidade dos recursos utilizados.
4.2. Ao se inscrever na Antologia PULP BRAZIL o autor autoriza automaticamente a veiculação de seu conto, sem ônus para a RHS EDITORA nos meios de comunicação existente ou que possam existir com a intenção de divulgar a antologia.
 5) SOBRE AS INSCRIÇÕES:
5.1. As inscrições para a Antologia PULP BRAZIL serão abertas às 24h00min do dia 03 de novembro de 2011 e encerradas no dia 03 de janeiro de 2012, no formato e padrão já descritos, sendo que a partir desse momento o prazo para publicação é de 60 dias. As inscrições só poderão ser feitas pelo e-mail pulp@rhseditora.com        
5.2. Inscrições por e-mail: o candidato deve enviar, anexado a uma mensagem eletrônica, o arquivo (doc) contendo seu texto para o endereço pulp@rhseditora.com . No corpo da mensagem, o autor deverá fornecer as outras informações exigidas por este regulamento para que se efetue a inscrição. O assunto da mensagem deverá ser INSCRIÇÃO PARA A ANTOLOGIA PULP BRAZIL.
5.3. Cada autor poderá enviar até dois contos, havendo a possibilidade de um segundo volume meses após o lançamento do primeiro.
5.4. As inscrições e publicação do livro são gratuitas.
5.5. Para participar os candidatos deverão, além de enviar um ou mais contos de acordo com as regras estabelecidas neste regulamento, fornecer as informações a seguir:
(a) nome completo do autor do conto e de seu responsável legal (se for menor de idade);
(b) data de nascimento;
(c) número do documento de identidade pessoal e do responsável legal (se for menor de idade);
(d) endereço físico e eletrônico, completo e legível;
(e) telefone fixo e celular;
(f) informação de onde e como ficou sabendo da antologia;
(g) autorização por escrito assinada pelo responsável (se for menor de idade) e fotocópia legível do documento
de identidade do mesmo (cópia escaneada e enviada junto com o e-mail);
(h) minibiografia de no máximo três linhas para cada autor.
5.6. Só serão aceitas inscrições através dos procedimentos previstos neste regulamento. Os dados fornecidos pelos participantes, no momento das inscrições, deverão estar corretos, claros e precisos. É de total responsabilidade dos participantes a veracidade dos dados fornecidos à organização da Antologia PULP BRAZIL
5.7. Em caso de fraude comprovada, o conto será excluído automaticamente da antologia.
5.8. Os participantes concordam em autorizar, pelo tempo que durar a antologia com a editora, que a RHS EDITORA faça uso de seu conto, suas imagens, som da voz e nomes em mídias impressas ou eletrônicas para divulgação da Antologia PULP BRAZIL, sem nenhum ônus para os organizadores, e para benefício da maior visibilidade da obra e seu alcance junto ao leitor.
 6) DA VENDA DO LIVRO
6.1. A antologia será vendido na loja virtual da RHS editora e nas demais livrarias conveniadas no valor de R$ 30,00.
6.2. Os autores participantes da antologia poderão comprar a antologia com desconto a partir de 5 exemplares, a um valor de R$ 15,00. Sendo a quantia de livros desejada a valor promocional comunicada antes da finalização do processo gráfico, onde a Editora entrará em contato com todos autores para saber se desejarão adquirir a valor promocional de Autor.
A EDITORA RHS NÃO OBRIGARÁ OS SELECIONADOS A ARCAR COM QUALQUER CUSTO OU A ADQUIRIR EXEMPLARES, sendo que o autor que quiser adquirir exemplar o fará por sua livre e espontânea vontade.
6.3. Para o envio dos livros será cobrado o frete para a entrega. O autor que desejar comprá-los deverá enviar um e-mail para antologias@rhseditora.com com o assunto COMPRA DA ANTOLOGIA PULP BRAZIL e no corpo do e-mail colocar a quantidade de livros desejados, o endereço completo para envio e nome completo.
6.4) Cada autor selecionado receberá um exemplar da OBRA a titulo de DIREITOS AUTORAIS, gratuitamente, sendo cobrado apenas o frete.
 7) OUTRAS INFORMAÇÕES
7.1. Dúvidas relacionadas a esta antologia e seu regulamento poderão ser enviados para o e-mail pulp@rhseditora.com, com o assunto DÚVIDA ANTOLOGIA PULP BRAZIL.
7.2. Todas as dúvidas e casos omissos neste regulamento serão analisados por uma comissão composta pela equipe organizadora e sua decisão será irrecorrível.
7.3. Para todos os efeitos legais, os participantes do presente Antologia PULP BRAZIL declaram ser os legítimos autores os contos inscritos, isentando a RHS EDITORA de qualquer reclamação ou demanda que porventura venha a ser apresentada em juízo ou fora dele.
7.4. A RHS EDITORA reserva-se o direito de alterar qualquer item desta Antologia, bem como interrompê-la, se necessário for, fazendo a comunicação expressa para os participantes.
7.5. A participação nesta Antologia implica na aceitação total e irrestrita de todos os itens deste regulamento.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

O discurso de Steve Jobs, CEO da Apple e da Pixar, para os formandos de Stanford em 2005

Bem, o cara morreu e todo mundo fazendo homenagens.
E eu faço a minha, com o discurso famoso dele, que retirei deste site:



Segue abaixo a transcrição. É longa mas vale a pena.

This is the text of the Commencement address by Steve Jobs, CEO of Apple Computer and of Pixar Animation Studios, delivered on June 12, 2005.

Este é o texto do discurso de formatura feito por Steve Jobs, CEO da Apple Computer e dos Pixar Animation Studios, realizado em 12 de Junho de 2005.
I am honored to be with you today at your commencement from one of the finest universities in the world. I never graduated from college. Truth be told, this is the closest I’ve ever gotten to a college graduation. Today I want to tell you three stories from my life. That’s it. No big deal. Just three stories.
É uma honra estar com vocês hoje nessa formatura de uma das mais excelentes universidades do mundo. Eu nunca me formei na faculdade. Verdade seja dita, esta foi a vez na vida em que eu cheguei mais perto de uma formatura de faculdade. Hoje eu gostaria de contar pra vocês três histórias da minha vida. É isso. Não é grande coisa. Só três histórias.
The first story is about connecting the dots.
A primeira história é sobre ligar os pontos.
I dropped out of Reed College after the first 6 months, but then stayed around as a drop-in for another 18 months or so before I really quit. So why did I drop out?
Eu deixei a Reed College depois dos primeiros 6 meses, mas então eu fiquei por lá como um “drop-in” por outros 18 meses, coisa assim, antes de eu realmente sair. Então por que eu saí?

It started before I was born. My biological mother was a young, unwed college graduate student, and she decided to put me up for adoption. She felt very strongly that I should be adopted by college graduates, so everything was all set for me to be adopted at birth by a lawyer and his wife. Except that when I popped out they decided at the last minute that they really wanted a girl. So my parents, who were on a waiting list, got a call in the middle of the night asking: “We have an unexpected baby boy; do you want him?” They said: “Of course.” My biological mother later found out that my mother had never graduated from college and that my father had never graduated from high school. She refused to sign the final adoption papers. She only relented a few months later when my parents promised that I would someday go to college.

Começou antes de eu nascer. Minha mãe biológica era uma jovem e solteira estudante de faculdade, e ela decidiu me colocar para adoção. Ela achava muito fortemente que eu devia ser adotado por pessoas formadas, então tudo estava preparado pra que quando eu nascesse fosse adotado por um advogado e sua esposa. Exceto que quando eu apareci eles decidiram no último minuto que na verdade eles queriam uma garota. Então meus pais adotivos, que estavam numa lista de espera, receberam uma ligação no meio da noite perguntando: “Nós temos um garoto ‘imprevisto’; vocês o querem?” Eles disseram: “É claro!” Minha mãe biológica mais tarde descobriu que minha mãe adotiva nunca se formou na faculdade e que meu pai adotivo nunca se formou no colégio (ensino médio). Ela se recusou a assinar os papéis finais da adoção. Ela só cedeu alguns meses depois quando meus pais adotivos prometeram que um dia eu iria para a faculdade.
And 17 years later I did go to college. But I naively chose a college that was almost as expensive as Stanford, and all of my working-class parents’ savings were being spent on my college tuition. After six months, I couldn’t see the value in it. I had no idea what I wanted to do with my life and no idea how college was going to help me figure it out. And here I was spending all of the money my parents had saved their entire life. So I decided to drop out and trust that it would all work out OK. It was pretty scary at the time, but looking back it was one of the best decisions I ever made. The minute I dropped out I could stop taking the required classes that didn’t interest me, and begin dropping in on the ones that looked interesting.
E 17 anos depois eu fui pra faculdade. Mas ingenuamente eu escolhi uma faculdade quase tão cara quanto Stanford, e todas as economias dos meus pais de classe operária estavam sendo gastas na minha educação superior. Depois de seis meses, eu não podia enxergar o valor daquilo. Eu não tinha idéia do que queria fazer com minha vida e nenhuma idéia de como a faculdade poderia me ajudar a descobrir. E lá estava eu gastando todo o dinheiro que meus pais economizaram durante suas vidas inteiras. Então eu decidi sair e confiar que tudo ia acabar dando certo. Era bem assustador naquela época, mas olhando para trás, foi uma das melhores decisões que eu já tomei. Assim que eu saí eu pude parar de assistir as aulas obrigatórias que não me interessavam, e comecei a assistir as que pareciam interessantes.
It wasn’t all romantic. I didn’t have a dorm room, so I slept on the floor in friends’ rooms, I returned coke bottles for the 5¢ deposits to buy food with, and I would walk the 7 miles across town every Sunday night to get one good meal a week at the Hare Krishna temple. I loved it. And much of what I stumbled into by following my curiosity and intuition turned out to be priceless later on. Let me give you one example:
Nem tudo foi tão romântico. Eu não tinha um dormitório, então eu dormia no chão do quarto dos amigos; eu devolvia garrafas de coca-cola aos depósitos por 5 centavos pra poder comprar comida; e eu andava as 7 milhas (11,2 km) através da cidade toda noite de domingo pra pegar uma boa refeição semanal no templo Hare Krishna. Eu amava aquilo. E muito do que eu encontrei seguindo minha curiosidade e intuição se mostrou de valor incalculável mais tarde. Deixe-me dar um exemplo:
Reed College at that time offered perhaps the best calligraphy instruction in the country. Throughout the campus every poster, every label on every drawer, was beautifully hand calligraphed. Because I had dropped out and didn’t have to take the normal classes, I decided to take a calligraphy class to learn how to do this. I learned about serif and san serif typefaces, about varying the amount of space between different letter combinations, about what makes great typography great. It was beautiful, historical, artistically subtle in a way that science can’t capture, and I found it fascinating.
A Reed College naquele tempo oferecia quem sabe a melhor instrução sobre caligrafia no país. Por todo o campus, cada pôster, cada etiqueta em cada gaveta, apresentava uma bela caligrafia manual. Por eu ter saído e não ter que assistir as aulas normais, eu decidi tomar aulas de caligrafia para aprender a fazer aquilo. Eu aprendi sobre caracteres com e sem serifa, sobre a variação do espaço entre diferentes combinações de letras, sobre o que torna a grande tipografia grande. Era bonita, histórica, artisticamente sutil de uma maneira que a ciência não pode capturar, e eu achei aquilo fascinante.
None of this had even a hope of any practical application in my life. But ten years later, when we were designing the first Macintosh computer, it all came back to me. And we designed it all into the Mac. It was the first computer with beautiful typography. If I had never dropped in on that single course in college, the Mac would have never had multiple typefaces or proportionally spaced fonts. And since Windows just copied the Mac, its likely that no personal computer would have them. If I had never dropped out, I would have never dropped in on this calligraphy class, and personal computers might not have the wonderful typography that they do. Of course it was impossible to connect the dots looking forward when I was in college. But it was very, very clear looking backwards ten years later.
Nada disso tinha sequer um lampejo de aplicação prática na minha vida. Mas dez anos depois, quando nós estávamos projetando o primeiro computador Macintosh, aquilo tudo voltou. E nós colocamos tudo no Mac. Foi o primeiro computador com uma tipografia bonita. Se eu nunca tivesse entrado naquele simples curso da faculdade, o Mac nunca teria múltiplos tamanhos de letra ou fontes proporcionalmente espaçadas. E como o Windows só copiou o Mac, provavelmente nenhum computador pessoal teria. Se eu nunca tivesse deixado a faculdade, eu nunca teria entrado na aula de caligrafia, e os computadores pessoais poderiam não ter a maravilhosa tipografia que eles têm. Claro que era impossível conectar os pontos olhando pra frente quando eu estava na faculdade. Mas ficou muito, muito claro olhando pra trás dez anos depois.
Again, you can’t connect the dots looking forward; you can only connect them looking backwards. So you have to trust that the dots will somehow connect in your future. You have to trust in something – your gut, destiny, life, karma, whatever. This approach has never let me down, and it has made all the difference in my life.
De novo: você não pode conectar os pontos olhando adiante; você só pode conectá-los olhando pra trás. Então você tem que confiar que os pontos de algum jeito vão se conectar em seu futuro. Você tem que confiar em alguma coisa – seu intestino, destino, vida, karma, seja o que for. Essa idéia nunca me deixou cair, e fez toda a diferença na minha vida.
My second story is about love and loss.
Minha segunda história é sobre amor e perda.
I was lucky – I found what I loved to do early in life. Woz and I started Apple in my parents garage when I was 20. We worked hard, and in 10 years Apple had grown from just the two of us in a garage into a $2 billion company with over 4000 employees. We had just released our finest creation – the Macintosh – a year earlier, and I had just turned 30. And then I got fired. How can you get fired from a company you started? Well, as Apple grew we hired someone who I thought was very talented to run the company with me, and for the first year or so things went well. But then our visions of the future began to diverge and eventually we had a falling out. When we did, our Board of Directors sided with him. So at 30 I was out. And very publicly out. What had been the focus of my entire adult life was gone, and it was devastating.
Eu fui sortudo – encontrei o que eu amava fazer cedo na vida. Woz e eu começamos a Apple na garagem dos meus pais quando eu tinha 20 anos. Nós trabalhamos duro, e em 10 anos a Apple cresceu de apenas nós dois numa garagem até uma companhia de 2 bilhões de dólares com mais de 4000 empregados. Nós tínhamos acabado de lançar nossa maior criação – o Macintosh – um ano antes, e eu tinha acabado de fazer 30. E então eu fui demitido. Como você pode ser demitido de uma empresa que você começou? Bem, conforme a Apple cresceu nós contratamos alguém que eu achava muito talentoso para levar a empresa comigo, e no primeiro ano, mais ou menos, as coisas saíram bem. Mas então nossas visões do futuro começaram a divergir e eventualmente nós tivemos uma briga. Quando isso aconteceu, nosso Quadro de Diretores ficou do lado dele. Então aos 30 anos eu estava fora. E muito escandalosamente fora! O que tinha sido o foco de toda a minha vida adulta se foi, e isso me destruiu.
I really didn’t know what to do for a few months. I felt that I had let the previous generation of entrepreneurs down – that I had dropped the baton as it was being passed to me. I met with David Packard and Bob Noyce and tried to apologize for screwing up so badly. I was a very public failure, and I even thought about running away from the valley. But something slowly began to dawn on me – I still loved what I did. The turn of events at Apple had not changed that one bit. I had been rejected, but I was still in love. And so I decided to start over.
Eu realmente não sabia o que fazer por alguns meses. Eu sentia que tinha falhado diante de toda a geração anterior de empreendedores – que eu deixei cair o bastão quando ele estava sendo passado a mim. Encontrei David Packard e Bob Noyce e tentei me desculpar por ter trabalhado tão mal. Eu era uma falência pública, e eu até pensei em fugir do vale (do silício). Mas algo começou a surgir lentamente em mim – eu ainda amava o que eu fazia. A série de eventos na Apple não tinha mudado isso nem um pouquinho. Eu fui rejeitado, mas eu ainda estava apaixonado. Então eu decidi recomeçar.
I didn’t see it then, but it turned out that getting fired from Apple was the best thing that could have ever happened to me. The heaviness of being successful was replaced by the lightness of being a beginner again, less sure about everything. It freed me to enter one of the most creative periods of my life.
Eu não via isso na hora, mas o fato é que ser demitido da Apple foi a melhor coisa que jamais poderia ter me acontecido. O peso de ser bem sucedido foi trocado pela leveza de ser um iniciante de novo, sem ter certeza de quase nada. Isso me libertou para entrar num dos períodos mais criativos da minha vida.
During the next five years, I started a company named NeXT, another company named Pixar, and fell in love with an amazing woman who would become my wife. Pixar went on to create the worlds first computer animated feature film, Toy Story, and is now the most successful animation studio in the world. In a remarkable turn of events, Apple bought NeXT, I retuned to Apple, and the technology we developed at NeXT is at the heart of Apple’s current renaissance. And Laurene and I have a wonderful family together.
Nos cinco anos seguintes, eu comecei uma empresa chamada NeXT, outra empresa chamada Pixar, e me apaixonei por uma magnífica mulher que se tornaria minha esposa. A Pixar criou o primeiro filme do mundo animado por computador, Toy Story, e hoje é o mais bem sucedido estúdio de animação do mundo. Numa memorável seqüência de eventos, a Apple comprou a NeXT, eu retornei à Apple, e a tecnologia que nós desenvolvemos na NeXT está no coração da atual ressurreição da Apple. E Laurence e eu temos uma maravilhosa família juntos.
I’m pretty sure none of this would have happened if I hadn’t been fired from Apple. It was awful tasting medicine, but I guess the patient needed it. Sometimes life hits you in the head with a brick. Don’t lose faith. I’m convinced that the only thing that kept me going was that I loved what I did. You’ve got to find what you love. And that is as true for your work as it is for your lovers. Your work is going to fill a large part of your life, and the only way to be truly satisfied is to do what you believe is great work. And the only way to do great work is to love what you do. If you haven’t found it yet, keep looking. Don’t settle. As with all matters of the heart, you’ll know when you find it. And, like any great relationship, it just gets better and better as the years roll on. So keep looking until you find it. Don’t settle.
Tenho toda a certeza de que nada disso teria acontecido se eu não fosse demitido da Apple. Foi um remédio de gosto amargo, mas acho que o paciente precisava dele. Às vezes a vida te bate na cabeça com um tijolo. Não perca a fé. Estou convencido de que a única coisa que me manteve em ação foi o fato de que eu amava o que fazia. Você tem que achar o que você ama. E isso é tão verdade para o seu trabalho quanto é para seu companheiro. Seu trabalho vai ocupar uma grande parte da sua vida, e o único jeito de ficar verdadeiramente satisfeito é fazer o que você acredita que é um belo trabalho. E o único jeito de fazer um belo trabalho é amar o que você faz. Se você ainda não achou, continue procurando. Não fique sentado. De todo o coração, você vai saber quando encontrar. E, como qualquer grande relacionamento, só melhora mais e mais conforme os anos vão passando. Então continue procurando até achar. Não fique sentado.
My third story is about death.
Minha terceira história é sobre a morte.
When I was 17, I read a quote that went something like: “If you live each day as if it was your last, someday you’ll most certainly be right.” It made an impression on me, and since then, for the past 33 years, I have looked in the mirror every morning and asked myself: “If today were the last day of my life, would I want to do what I am about to do today?” And whenever the answer has been “No” for too many days in a row, I know I need to change something.
Quando eu tinha 17 anos, eu li uma citação mais ou menos assim: “Se você viver cada dia como se fosse o último, algum dia provavelmente você vai acertar”. Aquilo me impressionou, e desde então, nos últimos 33 anos, eu tenho olhado no espelho cada manhã e perguntado a mim mesmo: “Se hoje fosse o último dia da minha vida, eu ia querer fazer o que eu vou fazer hoje?” E sempre que a resposta foi “Não” por vários dias seguidos, eu soube que eu tinha que mudar alguma coisa.
Remembering that I’ll be dead soon is the most important tool I’ve ever encountered to help me make the big choices in life. Because almost everything – all external expectations, all pride, all fear of embarrassment or failure – these things just fall away in the face of death, leaving only what is truly important. Remembering that you are going to die is the best way I know to avoid the trap of thinking you have something to lose. You are already naked. There is no reason not to follow your heart.
Lembrar que eu logo vou estar morto é a ferramenta mais importante que eu já encontrei pra me ajudar a fazer grandes escolhas na vida. Porque quase tudo – toda a expectativa exterior, todo o orgulho, todo o medo de dificuldades ou falhas – estas coisas simplesmente somem em face da morte, deixando apenas o que é realmente importante. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de achar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração.
About a year ago I was diagnosed with cancer. I had a scan at 7:30 in the morning, and it clearly showed a tumor on my pancreas. I didn’t even know what a pancreas was. The doctors told me this was almost certainly a type of cancer that is incurable, and that I should expect to live no longer than three to six months. My doctor advised me to go home and get my affairs in order, which is doctor’s code for prepare to die. It means to try to tell your kids everything you thought you’d have the next 10 years to tell them in just a few months. It means to make sure everything is buttoned up so that it will be as easy as possible for your family. It means to say your goodbyes.
Mais ou menos há um ano eu recebi um diagnóstico de câncer. Eu fiz um exame às 7:30 da manhã, e ele mostrou claramente um tumor no meu pâncreas. E eu nem sabia o que era um pâncreas! Os médicos me disseram que era quase com certeza um tipo incurável de câncer, e que eu não devia esperar viver mais do que de três a seis meses. Meu médico me aconselhou a ir pra casa e botar meus negócios em ordem, o que no idioma dos médicos significa: prepare-se para morrer. Significa tentar dizer aos seus filhos tudo o que você pensou que teria os próximos 10 anos para lhes dizer, em apenas uns poucos meses. Significa ter certeza que tudo está no lugar para que seja tão fácil quanto possível para sua família. Significa dizer adeus.
I lived with that diagnosis all day. Later that evening I had a biopsy, where they stuck an endoscope down my throat, through my stomach and into my intestines, put a needle into my pancreas and got a few cells from the tumor. I was sedated, but my wife, who was there, told me that when they viewed the cells under a microscope the doctors started crying because it turned out to be a very rare form of pancreatic cancer that is curable with surgery. I had the surgery and I’m fine now.
Eu fiquei com aquele diagnóstico o dia inteiro. Depois, naquela noite eu tive uma biópsia, em que eles enfiaram um endoscópio na minha garganta, através do meu estômago e dentro dos meus intestinos, colocaram uma agulha no meu pâncreas e pegaram algumas células do tumor. Eu estava sedado, mas minha esposa, que estava lá, me disse que quando eles viram as células no microscópio os médicos começaram a chorar porque descobriram que era uma forma muito rara de câncer pancreático que é curável através de cirurgia. Eu sofri a cirurgia e hoje eu estou bem.
This was the closest I’ve been to facing death, and I hope its the closest I get for a few more decades. Having lived through it, I can now say this to you with a bit more certainty than when death was a useful but purely intellectual concept:
Isto foi o mais perto que eu cheguei de encarar a morte, e eu espero que seja o mais perto que eu chegue por algumas décadas mais. Tendo sobrevivido, hoje eu posso dizer isto a vocês com um pouco mais de certeza do que quando a morte era um conceito útil mas puramente intelectual:
No one wants to die. Even people who want to go to heaven don’t want to die to get there. And yet death is the destination we all share. No one has ever escaped it. And that is as it should be, because Death is very likely the single best invention of Life. It is Life’s change agent. It clears out the old to make way for the new. Right now the new is you, but someday not too long from now, you will gradually become the old and be cleared away. Sorry to be so dramatic, but it is quite true.
Ninguém quer morrer. Mesmo as pessoas que querem ir para o Céu não querem morrer pra chegar lá. E mesmo assim, a morte é o destino que todos nós compartilhamos. Ninguém nunca escapou a ela. E é como deveria ser, porque a Morte é muito provavelmente a melhor invenção da Vida. É o agente de mudança da Vida. Ela tira o velho do caminho pra dar espaço pro novo. Por enquanto o novo são vocês, mas algum dia não muito distante, vocês gradualmente vão se tornar os velhos e sair do caminho. Me desculpe por ser tão dramático, mas é totalmente verdade.
Your time is limited, so don’t waste it living someone else’s life. Don’t be trapped by dogma – which is living with the results of other people’s thinking. Don’t let the noise of other’s opinions drown out your own inner voice. And most important, have the courage to follow your heart and intuition. They somehow already know what you truly want to become. Everything else is secondary.
Seu tempo é limitado, então não gaste vivendo a vida de outra pessoa. Não caia na armadilha do dogma – que é viver com os resultados do pensamento de outra pessoa. Não deixe o ruído da opinião alheia sufocar sua voz interior. E mais importante, tenha coragem de seguir seu coração e sua intuição. Eles de alguma forma já sabem o que você realmente quer se tornar. Tudo o mais é secundário.
When I was young, there was an amazing publication called The Whole Earth Catalog, which was one of the bibles of my generation. It was created by a fellow named Stewart Brand not far from here in Menlo Park, and he brought it to life with his poetic touch. This was in the late 1960′s, before personal computers and desktop publishing, so it was all made with typewriters, scissors, and polaroid cameras. It was sort of like Google in paperback form, 35 years before Google came along: it was idealistic, and overflowing with neat tools and great notions.
Quando eu era jovem, havia uma maravilhosa publicação chamada “The Whole Earth Catalog” (O Catálogo de Toda a Terra), que era uma das bíblias da minha geração. Foi criada por um camarada chamado Stewart Brand não muito longe daqui, em Menlo Park, e ele deu vida à publicação com seu toque poético. Isso foi no final dos anos 60, antes dos computadores pessoais e da editoração eletrônica, então tudo era feito com máquinas de escrever, tesouras e câmeras polaróides. Era tipo o Google formato brochura, 35 anos antes do Google aparecer: era idealista, e com abundância de recursos elegantes e idéias brilhantes.
Stewart and his team put out several issues of The Whole Earth Catalog, and then when it had run its course, they put out a final issue. It was the mid-1970s, and I was your age. On the back cover of their final issue was a photograph of an early morning country road, the kind you might find yourself hitchhiking on if you were so adventurous. Beneath it were the words: “Stay Hungry. Stay Foolish.” It was their farewell message as they signed off. Stay Hungry. Stay Foolish. And I have always wished that for myself. And now, as you graduate to begin anew, I wish that for you.
Stewart e sua equipe publicaram várias edições do “The Whole Earth Catalog”, e então quando seu papel estava cumprido, eles publicaram uma edição final. Era meados dos anos 70, e eu tinha a idade de vocês. Na contracapa da edição final havia uma fotografia do amanhecer em uma estradinha de terra, do tipo em que você poderia ficar pegando carona se você for aventureiro. Embaixo dela estavam as palavras: “Stay Hungry. Stay Foolish.” Era a mensagem de despedida deles ao sair do ar. Stay Hungry. Stay Foolish. E eu tenho sempre desejado isso pra mim mesmo. E agora, ao vocês se formarem para começar outra vez, eu desejo isto a vocês.
Stay Hungry. Stay Foolish.
“Stay Hungry. Stay Foolish.”
Thank you all very much.
Muito obrigado a todos vocês.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Quincar Borba


image

A riqueza está em nós mesmos e não nas coisas

Quincas Borba é um livro intrigante, de cunho crítico, de requintado humor e fina ironia. Estas definições não são minhas, foram lidas por mim em algum lugar e parafraseadas da forma que se vê. São definições que verdadeiramente se aplicam à obra, mas não são evidentes como é característico na obra machadiana. Há algo mais, há o que é preciso interpretar, existe a importante visão do leitor.

O livro narra a vida do ex professor Rubião, agora único herdeiro dos bens do filósofo rico Quincas Borba. Inicia com o finado sendo lembrado por sua filosofia “Humanitas”, que consiste basicamente no fundamento de que as coisas não são essencialmente boas ou más; são necessárias. O que acontece, tem lá sua razão para acontecer e não tem ligação com maldade ou bondade. O exemplo citado pelo filósofo é do caso de um campo de batatas, no qual a quantidade daria para uma única tribo, mesmo existindo duas. Se dividissem as batatas morreriam, mas se guerreassem por elas, a tribo vencedora saciaria a fome e sobreviveria. Daí provém a máxima do livro, dita aos quatro cantos de Barbacena pelo nosso Rubião: “Ao vencedor as batatas!”

Envolvido com gente diferente, ilustres, ostentadores de riqueza material, o antigo professor se vê em um mundo novo que aparentemente lhe agrada, afinal, nosso Rubião tem mania de grandeza. O contato com essas pessoas, especialmente com o casal Palha, lhe rende ostentação. Em troca do seu dinheiro o prestígio lhe é oferecido, aparentemente. As coisas começam a ganhar outro norte, quando ele se apaixona pela bela Sofia, esposa do amigo Palha…

Uma história reflexiva e caracterizadora de uma época, de uma civilização que muito tem em comum com a nossa. A sociedade da aparência não é coisa nova, assim como os falsos amigos. O autor quis mostrar as facetes dessa gente de um modo que possibilite ao leitor fazer suas próprias conclusões. Seguindo a características de micro capítulos, o autor tece ideais de impacto, instiga o julgamento de atitudes e arremata o texto com o tema loucura. Obra de português maduro, de requinte e de escrita bem trabalhada.

O que mais me chama atenção é a classe do autor ao tratar de assunto vil, como ele cuidou do texto para que a mensagem pudesse ser interpretada por caminhos diferentes, um mistério.

Recomendadíssimo!

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Notícias do Front!

Olá, raros visitantes!
 Venho hoje trazer um breve relatório geral de minhas produções literárias em nome de meus 3 pseudônimos.
Primeiro, Alastair Dias está envolvido em alguns contos de terror e fantasia sombria, como a antologia que segue abaixo, que é organizado por Alfer Medeiros (Fúria Lupina e Livraria Limítrofe, este com resenha em breve):
Para mais informações, clique aqui.
A seguir vem Alec Silva, que está com projetos novos a vista, como tentar terminar a saga A Fábula Inacabada, divulgar Zarak, o Monstrinho e Outras Noveletas Fantásticas, pesquisar e ampliar dados para a saga O Conto Perdido (que será escrita ano que vem, após A Fábula), estudar a possibilidade de retomar ideias antigas, escrever alguns contos, publicar Ariane e trabalhar simultaneamente em A Guerra dos Criativos.
Pouco, né?
E Alécio Silva ainda está parado. Poeta é assim mesmo.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Publique simplesmente


Semana passada falei do lançamento de um amigo escritor, cujo livro tinha forma inovadora de publicação. (postagem aqui) Esta forma inovadora chama-se Perse e vamos falar um pouco sobre ela, ok?

A Perse é uma prestadora de serviço voltada para o autor independente que deseja publicar seus livros. Não há segredo nisso, certo? Há outras que fazem isso e que começaram antes. O grande “lance” da Perse é o conjunto de serviços, de possibilidade e de controle do usuário.

Explico. Quando você se cadastra no domínio da editora, surge a possibilidade de publicar seu livro de forma intuitiva. Você pode escolher o formato do livro, orelhas, cor de miolo, tamanho, preço e tudo mais. Não é preciso nem ter ISBN para começar a vender seu livro, não é o máximo?


As possibilidades são muitas. Você pode comercializar o seu livro, divulgá-lo e ganhar dinheiro com isso. Manejando o sistema com serenidade, é possível ajustar um preço atrativo para os leitores, o que é muito importante ao meu ver. É o primeiro sistema de publicação por demanda que vejo com bons olhos.

Há serviços adicionais que podem contribuir com a divulgação da obra, veja:


Eles são pagos, mas a publicação é gratuita. Amigos autores já estão utilizando o sistema, assim como eu. Vamos as obras de autores que falamos aqui que já estão publicadas na Perse:




Considero estes autores como visionários. É um sistema novo, de possibilidades consideráveis, posto que permite um contato direto entre autor e leitor. É o mais próximo que vejo de publicação independente ao pé da letra. Que tal conhecer a Perse?

Quer comprar os livros? Eis a loja:


Fica a dica!

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

RUBRO AMOR

Ainda na infância pensava muito sobre como seria a vida no decorrer da juventude, pensava nos filhos que viria a ter, os amores mal vividos, dos filhos e demais coisas.

Vivia intensamente todos os momentos sem medo do que pudesse acontecer.

Fugindo de mim mesmo nos momentos mais sombrios e sem sombra de duvidas, a vida não era a mesma desde que conheci Heloá, moça de seus vinte e poucos anos, corpo de dar inveja a qualquer moçinha de quinze. Com sua fala meiga e olhar sedutor, logo começamos a nos conhecer e dar asas para a química presente desde o primeiro momento.

Mal sabia eu que este seria a prorrogação de todos os meus sonhos. Mal sabia eu que jamais seria como imaginei. Jamais saberia que minha velhice ora pensada jamais seria alcançada. Pensando bem, vivo além da velhice que pensei outrora, porém carrego o peso dos anos em minha não presente alma, na verdade presente, pois existo. São momentos de reflexões filosóficas que me mantem acesa a chama do que muitos chamam de vida.

Viver na escoria da sociedade. Anjos da Noite. Descendentes de Caim. Vivemos intensamente a cada novo anoitecer, pois a chegada de um novo dia para nós pode ser uma ameaça. Como me lembro do rosto de medo, horror de todas as minhas “namoradas”, usando de habilidades psíquicas para seduzi-las, porém nunca tive a petulância de  transformar uma de minhas vitimas em seres da noite, vampiro assim como o sou. 

Devo todas minhas desgraças há Heloá, pois maldito o dia que nossos olhares se cruzaram e em um ato avassalador me dominou, consumiu minhas energias, roubou minha vida através de seus lábios, presenteando-me com o prêmio maldito, a imortalidade.

Muitos nos rotulam por assassinos, porém assim não nos vejo. Somos seres vivos, estando inserido em um ecossistema autossustentável, onde somos apenas obrigados a caçar nossos alimentos. Não tendo culpa de nossa espécie se alimentar de outra que até outrora era semelhante. Apenas luta pela sobrevivência. Por um lado é interessante, pois nossas vitimas em si não são mortas ou aniquiladas, elas passam a viver através de nós, pois suas vidas nos dá a imortalidade e nos presenteiam com mais alguns momentos até nossa próxima refeição.

Creio que ainda não falei dos períodos que somos obrigados a ficar inerte em um tão conhecido caixão. Por fim quero logo lhes dizer, não é tão glamorosa está nossa existência. Mas sigo meu caminho errante, sem filhos, sem envelhecer porém com o peso dos anos preso apenas em minha memoria, sonhando o dia de romper esta barreira espectral e finalmente poder dizer que valeu a pena e tudo não passou de um sonho.
Sonho?  – O que seria sonho a uma altura dessas que vivo. O meu presente sempre latente, quantos nomes tive que usar? As mudanças constantes, tudo isso faz parte de nosso ciclo natural, mas irei romper todas essas barreiras, vocês podem esperar.

MANCHETE TV VAMP
13/05/2011
- Duplo suicídio de dois membros de nossa staff, Heloá e Marco Polo programaram e executaram suas próprias mortes em uma guilhotina, sendo ambos decapitados  no mesmo momento. Acharam apenas uma carta um tanto sem explicação, vejam trechos a seguir.

– ... Morrendo para vida renascemos em nosso universo imortal, hoje selando nossa união retornamos neste ato de coragem, jogando fora uma podre imortalidade para nos encontrar na profundeza das trevas e vivermos como realmente somos.
PS: Heloá
PS: Marco Polo

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Desafio de um ano

Hoje, como faço periodicamente, faço uma postagem coletiva, ou seja, que poderá ser lida em todos os blogs que tenho.

No dia 3 de setembro de 2011, no meio de uma conversa pelo Google Talk com Celly Monteiro, minha querida Fantasista, que fora regada a spoilers e ameaças de morte (não pelos spoilers, mas pela minha ousadia de criar uma personagem... NADA de contar o enredo!!!), lancei um desafio a minha Capitã.

O desafio para ela:
Escrever um livro completo (romance, novela, coletânea de noveletas) em um prazo de 1 ano.

O desafio para mim:
Reaprender a desenhar (eu sabia, mas me desleixei bastante) no mesmo período.

Para início do desafio, optamos o dia 4 de setembro deste ano, finalizando no dia 4 de setembro de 2012 (o ano que o mundo vai acabar).
Agora, eu sou o padrinho dela e ela é minha madrinha.

Agora, façam as suas apostas, torçam contra ou a favor.

sábado, 30 de julho de 2011

Pseudônimos

Olha eu aqui de volta!

Em meu rodízio para manter meus 100 blogs atualizados, parei por aqui para justificar umas coisinhas que em breve vão começar a surgir.

Recentemente, para o bem da minha literatura, adotei outros 2 peudônimos: Alécio Silva e Alastair Dias.

O que isso significa?
Bem, significa que agora você terá muita coisa minha para ler...
Como assim?!
Já explico!

Como alguém deve saber, sou fantasista desde muito moleque, mas também me inclino para a poesia, e agora para o gótico (baixei tantas música gothic metal que chega a assombrar). E como serei taxado pelas minhas obras fantasiosas, como Ariane, resolvi arriscar outros gêneros. Aí veio a indagação quase filosófica de que seria estranho escrever para crianças, jovens e adultos com o mesmo nome, entende? Eu acabaria perdendo leitores.

Então, conversando com Alfer Medeiros, acabei vendo que o caminho era adotar outros nomes, para outras obras que não englobem os infanto-juvenis e juvenis. Legal, né?!

Vai funcionar assim: quando você ler algum pseudônimo numa obra, seja poesia, conto ou livro, saberá o que provavelmente quer dizer:


Alec Silva = "Pode ler à vontade! Talvez tenha alguma violência ou insinuação erótica, mas nada grave. Basta ter consciência e idade para seguir na leitura. Se for para criança, vá fundo!"







Alécio Silva = "Se você é romântico, é para você. Pode ter temas espirituais e religiosos. É uma leitura mais leve."









Alastair Dias = "Quer ver o bicho pegar, hein?! Pode seguir em frente. Poderá ter muita violência, sexo, bizarrices. O risco é todo seu!"




Deu para entender como vai funcionar, não?
Agora, uma parcelinha das bizarrices de Alastair Dias:


"A pistola apontada para a cabeça e um prato nojento de carne humana eram coisas que amedrontavam a todos, pois ou comiam o que lhes era oferecido ou levavam um tiro no meio da testa, acabando com aquela existência degradante. Claro que os infelizes acabavam comendo aquilo, apesar de muitos preferirem a morte e não terem coragem de abraçá-la.
O sabor da carne crua era nauseante, sobretudo se a mente lembrasse ao estômago que era de um homem ou uma mulher — ou criança, na mais extrema hipótese. Talvez a fome ajudasse na execução da refeição, mas a maioria tinha muita dificuldade para ingerir o alimento.
Os soldados se divertiam ao verem aquelas raças inferiores comportando-se como animais, como de fato eram e pregava o Führer. Um ou outro chutava uma das cobaias apenas pelo prazer de humilhá-la mais um pouco ou matá-la com um tiro na cabeça, espalhando os miolos pelo piso e obrigando as outras a comerem-nos. "
Este trecho pertence ao conto O Formigueiro, que estará na íntegra no e-book Os selvagens cães cadáveres de guerra, organizado por Rochett Tavares.
Bem, até mais! 

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Lançamento Virtual!!!!!



Isso aí! Saiu finalmente o livro, o primeiro de muitos do Projeto Se7e Visões!
Ficou muito bom!
Tem 150 páginas, capa feita por Diego Alves, autor que abre a lista de contos, prefácio de Eric Musashi, autor de Os Herdeiros dos Titãs. Ou seja, só amigos contribuindo!


Boa leitura e que nossas visões possam saciar as suas...


Leia obra e comente no site da Bookess.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Sinopses Oficiais: Todas as Obras

Ariane
ANO DE CRIAÇÃO: 2007
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Fantasia Lírica/ Romance
TEMA: Amor entre humano e deusa de mundos diferentes.
Eros e Psiquê, após alguns filhos semimortais, tiveram uma filha imortal, porém uma profecia de Apolo fez-nos temer por sua felicidade.
Anos depois, a profecia está se realizando.
Quando a jovem e curiosa deusa da paz viola a Lei Universal da Aliança dos Deuses, salvando um mortal que tentava suicídio, eventos surgirão e marcarão para sempre as vidas de todos.
Dias depois de ser salvo misteriosamente e acordar no quintal de sua casa, Alexandre é demitido e à noite, no mesmo dia, encontra o que acredita ser um anjo feminino. Ele trata de seus ferimentos, pedindo a ajuda de uma vizinha.
Ao acordar, tudo o que a garota alada se lembra é de seu nome, Ariane, e de alguns fragmentos de sua origem divina. E assim começa uma relação entre ela e o mortal, um sentimento que os farão enfrentar um ambicioso inimigo dos deuses, a morte e uma profecia tão sombria quanto o Tártaro.
O primeiro volume da série Ciclo da Virtude, sendo o mais romântico de todos os livros da hexalogia de fantasia mitológica que narra a relação entre o amor e a morte, a ambição e a luta entre forças opostas.
Lançamento em breve pela Editora Petra Lumen.



O Último Suspiro de Amor
ANO DE CRIAÇÃO: 2008
PSEUDÔNIMO: Alécio Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Drama/ Fantasia Lírica/ Romance
TEMA: Um ser furta energia amorosa e apenas um sobrevivente pode detê-lo.
O que era para ser uma tarde especial para Camilo se torna o início de uma fase triste e descrente após testemunhar a morte de sua namorada.
Um ano depois, após uma sequência de acontecimentos que o fizeram deixar de amar e desejar a morte, o garoto tenta cometer suicídio num prédio, mas um homem o detém, revelando coisas sobre o seu passado e o de Letícia.
Com o passar dos dias, Omar reensina a Camilo o valor da vida e do amor, enquanto estranhos eventos envolvendo cartas assinadas pelo Amor, suicídios e coincidências ocorrem por toda a cidade.
Aos poucos, conforme o rapaz redescobre a vida e o amor, ele percebe que a morte da namorada faz parte de um plano maléfico de um ser que aprendeu a manipular a essência do sentimento mais poderoso do mundo e roubá-la por meio de ilusões.
Quando se depara com Anjos Cupidos e segredos que vão além de sua compreensão, Camilo percebe que o Amor nunca o abandonou e que foi graças a ele que se manteve vivo para enfrentar Oliveo, o seu oposto.
Uma história que sucede indiretamente Ariane, sendo ainda mais romântica que esta, retratando uma fase que foi vivida por mim em parte.



Flor Negra
ANO DE CRIAÇÃO: 2008
PSEUDÔNIMO: Alécio Silva
GÊNERO: Autobiografia
TEMA: Jovem escritor relata episódios de sua vida e do início de namoro.
Enredo restrito a amigos íntimos.
Não faz parte do cronograma oficial.



O Jardim da Eternidade
O Despertar do Caos
ANO DE CRIAÇÃO: 2009
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Alta Fantasia
TEMA: Mundo ameaçado por guerra entre deuses.
Alexandre e Ariane têm uma filha, Lúcia Karina, a quem recai a profecia de Apolo e os Destinos de Gaia e de um mundo lendário.
Com a iminente vinda de uma guerra e o retorno de poderosos inimigos dos deuses gregos, o deus-protetor é obrigado a treinar em Esparta ao lado de outros guerreiros e jovens, sob o comando de Ares. Entre esses jovens, o órfão Lucas será o mais valioso de todos.
Após uma ausência de anos, Alexandre volta como um soldado a serviço da Hélade e do Olimpo, porém correndo o risco de perder a família.
Quando a guerra se inicia, a poderosa Romania, influenciada por Kazrah, que deseja se vingar do deus-protetor e de Ariane, e seu mentor, e seus deuses começam a atacar os helenos.
Deuses, mortais e criaturas se unem para vencer o Caos, uma força primordial que ameaça devastar Gaia, contando com a ajuda de um príncipe elfo, um rei anão, um guerreiro nórdico e seu dragão e pistas sobre um mundo mencionado somente em lendas.
A segunda parte do Ciclo da Virtude, inicialmente escrita em volume único com a terceira, rica em batalhas, aventuras e intrigas.



O Jardim da Eternidade
Profecias
ANO DE CRIAÇÃO: 2009
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Alta Fantasia
TEMA: Cumprimento de profecias durante guerra.
A guerra em Gaia avança furiosamente, obrigando Alexandre a recorrer a lendas para salvar não apenas o mundo que vive, mas também um que nem conhece.
Após retornar de Creta, ele e seus amigos traçam novos planos e formam novas alianças, incluindo algumas muito inesperadas. É assim que Lucas, Lúcia Karina e Life, o cão celestial, partem para uma ilha, onde encontrarão passagem para o Jardim da Eternidade.
Enquanto na Arcádia um sátiro reúne aliados, parte do grupo de defensores parte para Hiperbória, em busca do Cetro do Cosmos, e os dois causadores do despertar do Caos arquitetam a conclusão de seus planos ambiciosos, visando conquistar não um mundo mas dois.
Somente a união de forças diferentes, a vontade de salvar Gaia e o amor entre Karina e o mortal ateniense serão capazes de determinar o cumprimento ou o descumprimento de profecias tão antigas quanto o mundo?
A terceira parte do Ciclo da Virtude, que deveria ser a última de uma trilogia, concluindo a lenda iniciada em Ariane. É uma obra cheia de batalhas, reviravoltas e com algum romantismo.



A Rosa dos Imortais
ANO DE CRIAÇÃO: 2009
PSEUDÔNIMO: Alastair Dias
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Fantasia Sombria
TEMA: Raça de amaldiçoados em busca de redenção.
Um jornalista começa a investigar um jovem e misterioso herdeiro de um importante milionário, que vive escondido de tudo e de todos.
Depois de invadir a mansão de Leonardo Monroe, ele se defronta com um monstro que o persegue, fazendo-o desmaiar. Ao acordar, Jonatas se vê diante do rapaz que tanto o intriga, que revela ser a criatura leonina que o amedrontou. E assim surge uma amizade que mudará as vidas de ambos para sempre.
Seguindo os conselhos do jornalista, Leonardo abre as portas de seu magnífico jardim para o mundo, o que o fará conhecer e se encantar por Carla Cristina, uma jovem evangélica que poderá mudar o seu destino amaldiçoado.
Paralelamente, Jonatas conhece Leonidas e se aprofunda nas lendas e na triste história dos leantropos e de seu ancestral, Leandro, que por enfrentar os deuses se tornou imortal e amaldiçoado.
Não apenas o amor, mas também a violência determinará os rumos de uma maldição antiga e o desabrochar de uma rosa findará para sempre uma história de sangue, ambição e perdição.
Baseado no conto A Bela e a Fera.



O Último Beijo
Guardiões do Sopro
ANO DE CRIAÇÃO: 2009
PSEUDÔNIMO: Alastair Dias
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Horror/ Gore
TEMA: Luta entre criaturas em busca de poder antigo.
O Sopro é uma energia universal, poderosa, mutável e quase rara na Terra, provocando a cobiça de demônios, vampiros, humanos e anjos.
Ao despertar de um coma, Fábio se vê num corpo que não é o seu e envolvido numa luta que ele nunca sonhou travar para proteger a reencarnação de uma princesa atlante.
Luana é uma jovem rebelde e sedutora, uma portadora do Sopro que é perseguida por um serial killer que se autodenomina Dark Love e mata não somente as criaturas que usurpam o poder, mas também quem porta-o.
O Anjo Cupido Omar, em busca de redenção, auxilia ambos, porém o amor não será o suficiente para escapar de inimigos sedutores, mortais e capazes de destruir uma cidade inteira para conseguirem o que querem
Muita ação, perseguição, erotismo e sangue num thriller gore no estilo de filmes trash.
Primeira parte de uma duologia.
Foi escrita assim que fiz 18 anos, como uma promessa de escritor sem muito juízo.




O Colecionador de Sílfides
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Noveleta/ Infantil
TEMA: Silfo sem asas parte numa jornada para resgata amiga que foi sequestrada.
Myr é considerado diferente por não ter asas, vivendo fora do reino dos silfos e tendo apenas a bela e sonhadora Yasmin como amida de sua raça.
No dia que a sílfide completa 17 anos, um pardal a captura, levando-a para os pântanos.
Quando todos se recusam a ir resgatá-la, o silfo pede a ajuda de Asaplanas, um esperto colibri, que o leva para o provável lugar em que uma criatura coleciona sílfides
No decorrer da jornada, os dois enfrentarão alguns perigos e aprenderão o valor da amizade e da confiança, do perdão e do amor.
Uma aventura divertida e fantástica, uma fábula para toda a família.
É a segunda noveleta do livro Zarak, o Monstrinho e Outras Noveletas Fantásticas, da Editora Multifoco. É quase uma versão infantil de Ariane.




Alz Gaia
Príncipe Valentim
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Romance
TEMA: Príncipe-deus de um mundo é enviado à Terra e deve enfrentar perigos para poder retornar.
O Jardim da Eternidade agora se chama Alz Gaia, que significa “Jardim de Gaia”, e sobre este belo mundo reinam Lúcia Karina e Lucas, o respeitável Rei-Dragão, e seus dois filhos, o príncipe Valentim e a princesa Sofia.
Porém os tempos não são fáceis e um movimento rebelde deseja destronar os reis e governar o mundo. Para tal, investem numa tentativa para matar os filhos dos governantes.
Quando os príncipes e o responsável pela execução são engolidos por gigantes de nuvens, o jovem deus alzgaiano se vê revivendo a história da avó, Ariane, ao cair no quintal da casa de uma escritora de fantasia.
O que era para ser um momento de saber as origens se torna uma luta colossal pela vida, pois um demônio semelhante a Kazrah traz do céu poderosos seres celestiais para eliminar de uma vez por todas Valentim.
Logo a mortal Cleo e seu cachorro, Argos, testemunharão uma lenda viva e atual, uma história que com certeza marcará para sempre a todos os envolvidos.
Primeira obra da segunda trilogia da série Ciclo da Virtude, que surgiu através de um desenho de Jorge Rafael.


Alz Gaia
Princesa Sofia
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Alta Fantasia
TEMA: Caçador meio-elfo renegado protege princesa alzgaiana de perigos.
Albrecht é um renegado tanto da raça da mãe, uma elfa, quanto da do pai, um humano, pois transita entre ambas, o que o torna temido, odiado e respeitado. Por isso é escolhido para matar um demônio alado que surgiu misteriosamente em Midgard.
Após enfrentar um casal de ogros num pântano, ele descobre que o tal demônio é uma deusa perseguida por uma criatura demoníaca e viperina, que não poupa ninguém para conseguir o que quer.
Unindo-se a uma druidesa sobrevivente de um massacre e ao homem-lobo Beowulf, Sofia e Albrecht partem rumo a um local em que poderão alcançar Alz Gaia.
Durante a jornada, terão de vencer grandes obstáculos e sobreviver a um plano audacioso arquitetado por três demônios determinados a vingarem-se pela morte do pai.
A segunda parte da segunda trilogia do Ciclo da Virtude.
Com certeza a mais “épica” de todas, obra que pude reunir e reciclar alguns clichês da literatura fantástica.



Alz Gaia
Crônicas Vindouras
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Romance
TEMA: Guerra num mundo foi prevista em profecias e crônicas.
De volta a Alz Gaia, Sofia se perde do homem-lobo e da druidesa, mas ainda conta com a proteção de Albrecht a quem nutre um afeto e é correspondida.
Enquanto os dois interagem com os aliados do reinado, o Olimpo enfrenta duros golpes traiçoeiros vindos de Laura, a segunda filha de Alexandre e Ariane, a perda da deusa da paz e o retorno triunfal de Kazrah.
Os rebeldes preparam um ataque ao símbolo do poder alzgaiano, a Grande Árvore, o que provoca uma linha poderosa de defesa em sua volta. É aí que surgem novos aliados e alguns velhos ressurgem prontos para lutar.
O aparecimento do meio-elfo traz a tona uma coletânea de profecias denominadas Crônicas Vindouras e aumenta ainda mais a esperança do triunfo ordeiro.
Quando parte das peças do jogo são organizadas e reveladas, um plano improvável e cruel ameaça o equilíbrio do Universo e apenas a bravura, a coragem e fatores enigmáticos poderão determinar a conclusão de toda uma lenda imensa.
A terceira parte da segunda trilogia do Ciclo da Virtude e a última obra da série, findando a saga mitológica de Ariane e Alexandre, Lúcia Karina e Lucas e Valentim e Sofia.



Bogatires, Homens e a Guerra dos Opostos
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Relato Maravilhoso
TEMA: Lenda sobre o fim dos gigantes, a origem da raça humana e as diferenças existentes entre os homens.
Antes do início da História vagavam sobre a Terra gigantes que combatiam demônios e monstros que assolavam o mundo.
Certo dia, quando um bogatir termina de matar um dragão, depara-se com uma criatura baixa que o ataca. Ao golpear o adversário, o gigante é surpreendido com a multiplicação do inimigo.
De repente há tantos homens que o ser imenso chama os companheiros para ajudá-lo, porém tudo se mostra em vão.
Desesperados, os bagatires fogem para as montanhas. E assim a raça humana domina o mundo.
Entretanto, durante um banquete de comemoração, as diferenças entre os homens poderão provocar uma nova e decisiva guerra.
Baseada numa lenda russa, esta noveleta poderá compor uma coletânea de releituras de lendas mundiais.



O Jardim Celestial de Guilherme
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Noveleta/ Fantasia Lírica
TEMA: Homem descobre jardim mágico.
Guilherme tornou-se cético após a morte da esposa, o que o torna um filósofo capaz de criticar a crença alheia. Mas tudo muda ao comprar uma mansão com um imenso e belo jardim.
Determinado a construir uma obra acadêmica no local, ele não imagina que a sua vida está prestes a mudar para sempre ao adentrar e conhecer parte dos segredos fantásticos do jardim.
Após beber demais e ser expulso de uma festa, o escritor descobre que o local pode trazer de volta Samara, a sua esposa falecida.
E assim, todas as noites o casal se encontra para se amar e compartilhar sonhos, mas as escolhas de Guilherme podem acabar com tudo e separá-los outra vez.
Baseado numa ideia que vi num filme, há muito tempo. Após alguns anos de análise, portanto, dispus-me a escrevê-la.
É a quarta e última noveleta que compõe o livro Zarak, o Monstrinho e Outras Noveletas Fantásticas, da Editora Multifoco.



Zarak, o Monstrinho
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Noveleta/ Infantil/ Nonsense
TEMA: Aspirante a escritor encontra amigo imaginário de infância.
Alex é um jovem que sonha ser escritor, porém nunca consegue concluir uma ideia devido a ausência de criatividade.
Tudo muda quando recebe a visita de Zarak, um monstrinho que ele criara quando criança, que lhe ensina algumas lições sobre imaginação.
Determinado a ajudar seu criador, a criatura o leva para dentro do mundo imaginário que o rapaz concebera quando criança, mostrando-lhe um lugar nonsense e fantástico, no qual a imaginação ganha vida.
Dragões-libélulas, árvores andantes, animais pré-históricos e outras coisas tiradas dos sonhos provam ao garoto que ele é capaz de criar e viver grandes aventuras. Basta apenas acreditar.
Baseado em um conto que criei na oitava série, para um trabalho escolar.
É a primeira noveleta e a que dá título a Zarak, o Monstrinho e Outras Noveletas Fantásticas, da Editora Multifoco.



O Enigma do Cubo
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Noveleta/ Juvenil
TEMA: Trio de amigos envolvidos por acontecimentos desencadeados por cubo mágico.
O jovem Alécio sempre se viu como um adolescente normal, que não atraía a atenção de ninguém, nem mesmo de Lucina, por quem tem uma afeição.
Ao receber da amiga um cubo mágico, entretanto, a sua vida muda drasticamente, pois um jogo perigoso e emocionante o aguarda nas tentativas de montar o brinquedo.
Inicialmente o garoto vive uma experiência assustadora, porém a curiosidade o faz continuar a montar as faces, o que acaba envolvendo Dânio, seu melhor amigo, e Lucina, que é a sua vizinha.
Percebendo que o único meio de restaurar a ordem ao mundo é continuar montando as seis faces, mesmo que signifique alterar ainda mais a lógica do mundo, Alécio irá viver uma aventura impressionante e surreal.
Perigos, descobertas, criaturas fantásticas e eventos incríveis tornarão o enigma do cubo mágico ainda mais emocionante e revelador para o rapaz.
Muito inspirado e Jumanji, é a abertura de um romance juvenil criado inicialmente para uma premiação literária a qual perdi.
É a terceira noveleta de Zarak, o Monstrinho e Outras Noveletas Fantásticas, da Editora Multifoco.


Crônicas Gaienses
A Princesa e o Escravo
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alastair Dias
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Alta Fantasia
TEMA: Rei destronado vaga por país estrangeiro, tornando-se escravo e conhecendo princesa romana.
O rei da Etrúria, Giùlio é traído e quase morto por piratas, mas sobrevive e é levado para as praias romanianas, onde inicia uma série de aventuras e desventuras que o fazem adotar alguns cognomes.
Paralelamente, a bela princesa romana, Áurea, é envolvida numa trama política que ameaça acabar com a paz entre Romania e Hélade, paz conseguida apenas após a derrota do Caos, há pouco tempo.
Os Destinos do bárbaro e da princesa se unirão conforme os caprichos dos deuses e de seres que preveem o futuro, que arquitetam planos para provocar ou evitar certos eventos.
Almejando recuperar o seu país, o etrusco não medirá esforços para alcançar seus objetivos, mas os encantos de Áurea o farão não pensar apenas em si, mas em todo o mundo.
O primeiro volume de uma série que abrange Gaia por diferentes pontos de vista, e não apenas pelo apresentado no Ciclo da Virtude.



A Fábula Inacabada
Pedras Elfo-Fádicas
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Suspense
TEMA: Homem inglês do século XIX se vê envolvido em mistérios que estão além de sua imaginação.
Rico, inteligente e visionário, o jovem Wagner Wald Fairy-Stone tinha uma vida perfeita na sociedade vitoriana do século XIX, porém mudanças o aguardam após se casar com a bela francesa Cassia Saint-Floire.
Depois de perder uma menina, a Sra. Saint-Floire Fairy-Stone dá a luz a gêmeos, Thierry e Thiers, morrendo logo em seguida, alegando ensandecidamente ver um demônio em forma de tigre. O episódio obriga o viúvo a lembrar-se de um antigo sonho que o perseguia quando criança e a buscar respostas no passado misterioso de sua família.
Com a ajuda do cunhado, o aventureiro Elie, o Sr. Fairy-Stone parte numa jornada em busca de misteriosos objetos mágicos conhecidos como Pedras Elfo-Fádicas, vivendo uma aventura fantástica e que determinará o futuro de seus filhos.
A introdução de uma saga colossal em dez volumes, de uma aventura emocionante, escrita de maneira a resgatar a magia dos contos de fadas e dos clássicos das literaturas fantástica e mundial.




A Fábula Inacabada
Diários Fairy-Stone
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Romance Epistolar
TEMA: Crianças inglesas desvendando segredos mágicos e antigos.
Quando o pequeno, curioso e rebelde Thiers Saint-Floire Fairy-Stone iniciou um diário, nunca imaginou que registraria eventos tão fantásticos de uma infância tão incomum.
Questionador, o menino descobre um diário escrito por seu bisavô entre centenas de livros, uma folha em cada volume entre obras francesas. Ao montá-lo, inicia uma sequência de acontecimentos e de aventuras que o levarão a explorar as câmaras subterrâneas da velha mansão em que mora.
Ele e seu primo, Hubert MacLwun, abrirão uma a uma, encontrando segredos e perigos que revelarão a ambos um novo e incrível mundo, um mundo de magia e mistérios que vão além da compreensão e da imaginação de um ser humano.
As descobertas feitas pelas crianças serão determinantes para uma busca ainda maior e mais alucinante do que podem sonhar.
A segunda parte da saga, com muito mais aventura e tensão.




A Fábula Inacabada
Viagem ao Redor do Mundo
ANO DE CRIAÇÃO: 2010
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura
TEMA: Relato sobre viagens fantásticas pelo mundo.
Ao acompanhar Thiers, seu primo, Hubert não entendia o motivo de procurar o final de uma história e também não esperava viverem tantas aventuras perigosas e fantásticas ao redor do planeta.
Para resgatar o jovem aventureiro, é preciso conhecer e entender cada evento que culminou em seu sequestro. Através de um relato de viagem, Thierry passa a vislumbrar e acreditar num mundo mágico, onde nada é por acaso.
Ao mesmo tempo em que conhece um pouco sobre as aventuras do irmão e do primo, o jovem Fairy-Stone precisa encontrar as respostas para tanta inquietação que ronda a sua família.
Será a bela Eve, a sua prima e noiva, capaz de prever o futuro? Por que Thiers, um aventureiro tão hábil e esperto, deixou-se capturar por piratas chineses? E quais as ligações entre os relatos de viagens, a fábula inacabada e os segredos familiares dos Fairy-Stone?
A terceira parte de uma saga alucinante por locais incríveis, uma jornada cheia de aventuras, perigos, mistérios e magia.





A Fábula Inacabada
Mares do Oceano Desconhecido
ANO DE CRIAÇÃO: 2011
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Alta Fantasia/ Romance
TEMA: Viagem para um mundo mágico.
Os perigos aumentaram drasticamente desde que os jovens Thiers e Hubert tentaram encontrar um objeto capaz de levá-los para os lendários Mares do Oceano Desconhecido.
Após um ataque devastador a mansão dos Fairy-Stone, que resultou em perdas valiosas de entes queridos, Thierry e Eve unem-se ao grupo de aventureiros que buscam alcançar um lugar misterioso e encontrar o tão cobiçado final da fábula inacabada, embora se desconheça exatamente como chegar até lá.
Quando um perigoso pirata chinês surge no caminho dos aventureiros, os mares da Terra testemunham batalhas alucinantes, magias poderosas, aventuras, mortes, histórias paralelas e muitos mistérios.
Qual é a ligação entre a fábula, os gêmeos, o pirata, Eve, o enigmático Capitão Vaz e os Mares do Oceano Desconhecido? E que segredos se escondem num mundo recém-redescoberto?
A quarta parte da saga, agora rumo a um mundo no qual tudo ainda é desconhecido.




A Fábula Inacabada
Numiária
ANO DE CRIAÇÃO: 2011
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Alta Fantasia
TEMA: Peripécias marinhas e submarinas num mundo desconhecido.
Determinados a resgatarem o primo, que fora capturado pelos tritões, Thiers e Thierry mergulham com seus companheiros de aventuras rumo ao fantástico reino submarino de Tritania, onde o Rei Nereus e seus aliados enfrentam os ataques do Reino Sombrio.
Todo o mundo recém-redescoberto principia a mudar drasticamente, e uma guerra que se estende há mais de um século poderá ser determinada pelo grupo de aventureiros, principalmente pelos gêmeos e seus primos.
Antes, porém, que eles possam compreender no que se envolveram, terão de vencer piratas, monstros marinhos abissais e outras criaturas perigosas, como os farejadores de ossos, além de superarem a perda de um amigo.
Por que todos os numiarianos ordeiros depositam suas esperanças nos jovens Fairy-Stone e em Hubert? Por que a poderosa Rainha Sombria teme tanto essa influência? E que segredos ainda ocultam-se em Numiária?
A quinta parte de uma saga cheia de fantasia e aventura numa terra rica em profecias e mistérios.




A Fábula Inacabada
A Era Efêmera
ANO DE CRIAÇÃO: 2011
PSEUDÔNIMO: Alec Silva
GÊNERO: Literatura Fantástica/ Aventura/ Alta Fantasia
TEMA: Jornadas por lugares inóspitos.
Após as aventuras no mar e em algumas ilhas, os gêmeos Thiers e Thierry e seus amigos resolvem ir para o continente e iniciar a luta profética contra o Reino Sombrio.
Com conhecimentos precisos sobre o mundo, o jovem de cabelos claros guia o grupo rumo ao deserto, onde encontrarão um túnel subterrâneo que os conduzirão a Floresta das Nelmas, para assim poderem achar um importante aliado na luta contra o mal.
Durante a longa viagem, os aventureiros encontram os primeiros rebeldes, o que resulta na divisão estratégica da equipe em consequências decisivas para a guerra.
Enquanto Hubert, Daniel, María e Aloisio seguem para o Templo de Amistechyx, os demais prosseguem em sua tarefa de localizar o Pendragon Drystan, o único humano imortal sobre Numiária.
Autômatos, elefantes colossais, dragões, exércitos de Sombras, criaturas do deserto, batalhas sangrentas e mais segredos fazem de uma tarefa difícil uma missão de vida ou morte.
A sexta parte de uma aventura épica não apenas pelo final de uma fábula, mas pela paz de todo um mundo.